Alanna Kennedy e Lauren Hemp falam sobre serem modelos para fãs e sobre como lidam com a pressão que pode surgir ao serem figuras públicas.

O Manchester City e o Feel Good Club lançaram uma nova colaboração em fevereiro para promover os benefícios para nosso bem-estar físico e mental: Feel Good City.

E para celebrar o Dia Internacional da Mulher hoje, assim como essa parceria, Alanna Kennedy e Lauren Hemp foram as convidadas especiais no último episódio do podcast Leave it here (em inglês).

Falando no episódio, Kennedy compartilhou sobre ser um modelo, como tenta encarar apenas o lado positivo e ignora a possível pressão negativa que pode vir com tal responsabilidade.

“Sempre tento olhar o lado positivo disso”, contou a australiana.

“Provavelmente, preferiria não me pressionar tanto, acho que é um privilégio ter o trabalho que temos e, além disso, estivemos do outro lado quando não havia tantas pessoas nos jogos e ver essa mudança, é realmente bom apreciar o quanto o jogo evoluiu”.

“É um privilégio ter tantas pessoas vindo assistir e tantas meninas e meninos sendo inspirados e acho que, por mais recompensador que seja para eles virem nos ver jogar, é tão legal para nós assinar um autógrafo depois do jogo e saber que as pessoas se importam com o que você está fazendo, porque acho que por tanto tempo isso passou despercebido, então, ao invés de nos pressionarmos, prefiro realmente abraçar isso”.

Hemp, por outro lado, admitiu que prefere ficar fora dos holofotes e focar no futebol, mas que entende a importância do papel que desempenha ao inspirar outras pessoas.

A inglesa foi uma figura-chave na caminhada das Lionesses para serem coroadas Campeãs Europeias em 2022, o que cativou a imaginação de meninas e meninos por todo o país.

E Hemp reconheceu no podcast que ter modelos é importante, dada a trajetória ascendente e o aumento do acesso ao futebol feminino.

“Para mim, não gosto particularmente de estar sob os holofotes, então sempre penso ‘oh Deus, sou eu, não olhe para mim’ quando estou andando na rua”, admitiu Hemp.

“Mas então minha mãe está em casa dizendo ‘precisamos ir ver o outdoor que a Lauren está’, e eu digo ‘não, mãe, não precisamos fazer isso’”.

“Obviamente é muito bom quando meninas e meninos reconhecem você e veem que o caminho é possível, acho importante que eles possam ver e acreditar e, obviamente, a forma como o futebol feminino está crescendo agora, como na TV, acho que é muito importante, porque sei que quando eu era mais jovem, você não necessariamente via um caminho para chegar onde queria estar”.

“E acho que agora é tão importante ter isso porque faz meninas e meninos acreditarem que podem alcançar qualquer coisa”.