Atacante comentou como tem sido o retorno aos treinos com o time do City

Como para qualquer jogador, a rotina é uma parte importante do futebol; treinos, jogos, tudo é cuidadosamente planejado e familiar. Mas as restrições e o distanciamento social necessários para cumprir as novas regras da Premier League tornaram tudo diferente.

"Tem sido um pouco estranho", disse Gabriel Jesus.

"Nós chegamos no campo e não podemos usar as instalações, então é estranho. Mas sabíamos desde o começo que só poderíamos treinar em pequenos grupos."

"Assim que mudou e pudemos treinar em grupo, melhorou."

Jesus disse ainda que sua agenda de treinos foi mantida durante a quarentena, e ele se sente afiado para recomeçar.

"Todo mundo que me segue nas redes sociais pôde ver que eu continuei treinando durante a quarentena, porque a gente não podia prever quando estaríamos de volta", disse.

"Eu espero que tudo volte ao normal, porque foi estranho o mundo parar nessa pandemia."

"Eu trabalho com o André [Cunha, preparador físico] e a equipe do clube. Eu sempre deixei claro a ele que não queria nem mais nem menos do que o que já faço no clube."

"Eu quero fazer o que precisar, e sempre conseguimos coordenar isso com as instruções do clube. Ajudou bastante, especialmente durante esse período. Eu treinei todos os dias por ligações de vídeo e isso foi muito importante."

Jesus revelou também que os treinos mudaram, mas a engenhosidade de Guardiola não.

"O conceito é sempre o mesmo. Uma ou duas coisas mudaram, mas eu não vou revelar!".

"O Pep é criativo e intenso, então ele sempre tem formas de fazer os jogadores funcionarem."

"Isso é uma coisa que ele sempre faz, especialmente agora, após três meses sem jogos. Isso é bom."

"Quando retornarmos, sabemos da situação. É um momento duro na Premier League e é muito difícil que vençamos a Liga, mas ainda temos mais dois troféus pelos quais lutar e vamos tentar vencer o máximo possível de jogos."

Gabriel comentou ainda os protestos de diversos jogadores nas redes sociais a respeito da luta contra o racismo nas últimas semanas.

"Hoje a rede social tem muito poder. Você pode se posicionar sobre algo que é muito importante. Quando se fala a frase "Vida Negras Importam", a gente tem que saber ler essa frase direito. Não estamos falando que outras vidas não importam, mas que a vida do negro também importa. É a vida do negro que sente o racismo. Já passei duas vezes por isso, tirei na boa, mas cada um reage de uma forma. Uma no Uruguai, jogando Libertadores, e outra foi antigamente. A foto que eu postei foi pelas coisas que passei. Por ser negro e vir da favela. Soube tirar da minha maneira, da minha forma. E o povo está cansado disso."