City voltou a ganhar contra os Blades ...

Os visitantes mostraram confiança e coragem, fazendo um começo mais seguro.

Compactos e firmes na zaga, com dois zagueiros centrais, combinados com um contra-ataque rápido, a equipe de Chris Wilder quase quebrou o impasse aos oito minutos, o perigoso Lys Mousset encontrou uma avenida aberta na área antes de receber o cruzamento de Callum Robinson.

Aos 17 minutos, Rodri deu um sublime passe para Mahrez, mas o chute do Argelino foi desviado pelo goleiro Dean Henderson.

O United continuou sendo uma poderosa ameaça no ataque, com a cabeçada de John Egan aos 25 minutos. A bola passou por cima do travessão

Os nosso adversários chegaram a marcar aos 28 minutos, quando Mousset finalizou no meio das pernas de Claudio Bravo, que substituiu o Ederson pela suspensão.

Mais uma vez, no entanto, o VAR teve a palavra final, o atacante estava em posição de impedimento.

O ritmo elétrico de Mousset lhe deu força para furar a defesa do City mais uma vez, mas felizmente quando estava cara a cara com o bravo, arrematou para fora.

Os primeiros 45 minutos foram frustrantes para a equipe de Guardiola.

O ritmo de Mousset novamente causou problemas logo após o reinício, o atacante encontrou Muhammed Besic, que arrematou na trave.

Precisávamos reagir e foi quando Sergio Aguero entrou em cena. De Bruyne aproveitou-se do erro de Fleck e o passepara o Aguero que o deixou de frente para o gol.

Nosso artilheiro de todos os tempos não precisou de um segundo convite para finalizar com vontade. Foi o seu primeiro gol desde o início de novembro.

Os visitantes ficaram irados alegando que o árbitro Kavanagh desempenhou um papel decisivo ao bloquear o Fleck, mas após checar o VAR o gol foi mantido.

Bravo precisou fechar o gol duas vezes seguidas, quando os visitantes pareciam dar o troco.

O City pediu por um pênalti depois que um chute de Mahrez pareceu acertar o braço de um zagueiro dos Blades, mas Kavanagh mandou seguir.

E o jogo foi definido aos 81 minutos, em grande estilo por De Bruyne.